Advanced search in Research products
Research products
arrow_drop_down
Searching FieldsTerms
Any field
arrow_drop_down
includes
arrow_drop_down
Include:
The following results are related to European Marine Science. Are you interested to view more results? Visit OpenAIRE - Explore.
35 Research products, page 1 of 4

  • European Marine Science
  • Other research products
  • PT
  • CN
  • English

10
arrow_drop_down
Date (most recent)
arrow_drop_down
  • English
    Authors: 
    Carreiro-Silva, Marina; Martins, Ines; Raimundo, Joana; Caetano, Miguel; Bettencourt, Raul; Cerqueira, Teresa; Colaço, Ana;
    Publisher: PANGAEA - Data Publisher for Earth & Environmental Science
    Project: FCT | Mining2/0005/2017 (Mining2/0005/2017), EC | MIDAS (603418), EC | iAtlantic (818123), EC | ATLAS (678760)

    We report the results of an aquaria-based experiment testing the effects of suspended particles generated during potential mining activities, on a common habitat-building coral species in the Azores, Dentomuricea aff. meteor. Corals were collected from the summit of Condor Seamount (Azores, NE Atlantic) at depths between 185-210 m in August 2014. Coral fragments were maintained in 10-L aquaria and exposed to three experimental treatments for a period of four weeks at the DeepSeaLab aquaria facilities (Okeanos-University of the Azores): (1) control conditions (no added sediments); (2) suspended polymetallic sulphide (PMS) particles; (3) suspended quartz particles. PMS particles were obtained by grinding PMS inactive chimney rocks collected at the hydrothermal vent field Lucky Strike. Both particle types were delivered at a concentration of 25 mg L-1. The putative effects of PMS particles were evaluated through measurements of the coral physiological responses at the levels of the organism (oxygen consumption, ammonium excretion), tissue (bioaccumulation of metals) and cell (enzyme activity and gene expression).

  • Embargo English
    Authors: 
    Fonseca, Sara Gomes;
    Country: Portugal

    Ingredientes naturais têm sido usados tradicionalmente por milénios e a sua aplicação em cremes tópicos, loções e preparações dentro da medicina tradicional e tradições de cura em muitas culturas têm sido observadas. Nos últimos 20 anos, estudos laboratoriais e clínicos têm identificado os benefícios de uma variedade de ingredientes naturais para cuidados de pele. Consequentemente, alguns destes ingredientes e compostos estão a ser desenvolvidos, usados ou considerados não só para efeitos anti idade, mas também para distúrbios dermatológicos. Certos ingredientes como lama marinha e quitosano, têm sido identificados como benéficos no tratamento de psoríase e dermatite atópica, devido às suas propriedades anti-inflamatórias. Para combater acne, sargafurano e diterpenóides cembrene são considerados eficazes. Já para a hiperpigmentação e capacidades antioxidantes, florotaninos e fucoidano estão entre os compostos que se consideram mais benéficos. Pesquisa adicional é necessária para determinar, confirmar e elucidar os benefícios destes ingredientes na prevenção e controlo dos distúrbios de pele. Natural ingredients have been used traditionally for millennia and their application in topical creams, lotions and preparations within the traditional medicines and healing traditions of many cultures has been observed. Over the last 20 years, clinical and laboratory studies have identified the benefits of an array of marine natural ingredients for cosmetic. Consequently, a number of these ingredients and compounds are today being developed, used or considered not only for anti-aging effects, but also for use in dermatologic disorders. Certain ingredients, such as sea mud and chitosan, have been identified as beneficial in the treatment of psoriasis and atopic dermatitis, due to their anti-inflammatory properties. For combating acne, sargafuran and cembrene diterpenoids are considered efficacious. As to hyperpigmentation and antioxidative capabilities, phlorotannins and fucoidan are among those compounds found to be most beneficial. Additional research is needed to determine, confirm and elucidate the benefits of these ingredients in the prevention and management of skin disease. Trabalho Final de Mestrado Integrado, Ciências Farmacêuticas, 2021, Universidade de Lisboa, Faculdade de Farmácia.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barros, Eduarda Daniela Silva;
    Country: Portugal

    Os antidepressivos estão entre os fármacos mais identificados em sistemas aquosos e, como poluentes orgânicos emergentes, podem exercer efeitos negativos em organismos aquáticos não alvo. Em consequência do aumento continuado das concentrações no meio ambiente, os impactos biológicos destes compostos nos peixes têm sido discutidos. a exposição aos produtos farmacêuticos tem originado alterações no comportamento, reprodução e desenvolvimento. Além disso, estudos demonstraram que a exposição aos antidepressivos resulta num aumento substancial na mortalidade, atrasos no desenvolvimento, anomalia morfológicas e alterações patológicas no cérebro, coração e rim cranial e caudal. O desenvolvimento do cérebro e do sistema visual é particularmente suscetível aos efeitos da exposição pré-natal a substâncias neuroativas. A avaliação da resposta motora visual no peixe-zebra demonstrou que os antidepressivos modificam o perfil da locomoção espontânea com maior regularidade, apresentando variação significativa nos efeitos comportamentais. Em peixes, a análise de expressão génica global pode revelar efeitos de tóxicos em vias bioquímicas inesperadas, elucidar mecanismos de toxicidade e ser utilizada para avaliação de perfis de expressão génica para definir diferenças/semelhanças nas respostas de organismos aos tóxicos. O objetivo deste estudo é resumir o conhecimento atual sobre os impactos dos compostos neuroativos em animais não visados que vivem em águas superficiais, especialmente ao nível do cérebro e do sistema visual. Antidepressants are among the most identified pharmaceuticals in aqueous system, and, as emerging organic pollutants, can exert negative effects of non-target aquatic organisms. As the concentrations in the environment are incessantly increasing the biological impacts of theses compounds in fish have beeun under discussion. The exposure to these pharmaceuticals porducts has been prodicung alterations in behaviour, reproduction, and development. Also, studies demonstrate that exposure to antidepressants result in a substantial rise in mortality, development retardation, morphological anomalies, and pathological changes in brain, heart, and ranial and caudal kidney. The development of the brain and visual system is particularly susceptible to the effects of prenatal exposure to neuroactive drugs. Assessing the visual motor responce in zebrafish, demonstrated that antidepressants most regularly modify the profile os spontaneous locomotion having significant variation in behavioral effects. In fish, global gene expression analysis can reveal effects of toxicants on unexpected biochemical pathways, elucidate mechanisms of toxicity and be utilized for assessment of gene expression profiles to define differences/similarities in responses of organisms to toxicants. The aim of this syudy is to summarize current knowledge about the impacts of neuroactive compounds on non-target animals living in surface waters, especially at the level of the brain and visual system.

  • Open Access English
    Authors: 
    Smith, Craig R.; Tunnicliffe, Verena; Colaco, Ana; Drazen, Jeffrey C.; Gollner, Sabine; Levin, Lisa A.; Mestre, Nélia; Metaxas, Anna; Molodtsova, Tina N.; Morato, Telmo; +3 more
    Publisher: ELSEVIER SCIENCE LONDON
    Country: Portugal
    Project: EC | SCAN-Deep (747946), EC | ATLAS (678760)

    Gordon & Betty Moore FoundationGordon and Betty Moore Foundation [5596]; Canada Research Chairs FoundationCanada Research Chairs; European Union's Horizon 2020 research and innovation programme under Marie Sklodowska-Curie grant [747946]; Fundacao para a Ciencia e Tecnologia I.P. Portugal (FCT); Direcao-Geral de Politica do Mar (DGPM) [2/2017/001-MiningImpact 2]; FCTPortuguese Foundation for Science and TechnologyEuropean Commission [CEECIND005262017, UID/MAR/00350/2013, IF/01194/2013, IF/00029/2014/CP1230/CT0002, Mining2/0005/2017]; RF State Assignment [0149-2019-0009]; Horizon 2020 Agricultural Interoperability and Analysis System (ATLAS) projects [678760]; JM Kaplan Fund; National Science FoundationNational Science Foundation (NSF) [OCE 1634172]; JPI Oceans project Mining Impact -Environmental Impacts and Risks of Deep-Sea Mining Aug 2018-Feb 2022 (NWO-ALW) [856.18.001] info:eu-repo/semantics/publishedVersion

  • Open Access English
    Authors: 
    Fletcher, Tamara L.; Warden, Lisa; Sinninghe Damsté, Jaap S.; Brown, Kendrick J.; Rybczynski, Natalia; Gosse, John C.; Ballantyne, Ashley P.;
    Project: NSERC , EC | PACEMAKER (226600), NSF | Collaborative Research: A... (1418421), NWO | Perturbations of System E... (2300181601)

    The mid-Pliocene is a valuable time interval for investigating equilibrium climate at current atmospheric CO2 concentrations because atmospheric CO2 concentrations are thought to have been comparable to the current day and yet the climate and distribution of ecosystems were quite different. One intriguing, but not fully understood, feature of the early to mid-Pliocene climate is the amplified Arctic temperature response and its impact on Arctic ecosystems. Only the most recent models appear to correctly estimate the degree of warming in the Pliocene Arctic and validation of the currently proposed feedbacks is limited by scarce terrestrial records of climate and environment. Here we reconstruct the summer temperature and fire regime from a subfossil fen-peat deposit on west–central Ellesmere Island, Canada, that has been chronologically constrained using cosmogenic nuclide burial dating to 3.9+1.5/-0.5 Ma. The estimate for average mean summer temperature is 15.4±0.8 ∘C using specific bacterial membrane lipids, i.e., branched glycerol dialkyl glycerol tetraethers. This is above the proposed threshold that predicts a substantial increase in wildfire in the modern high latitudes. Macro-charcoal was present in all samples from this Pliocene section with notably higher charcoal concentration in the upper part of the sequence. This change in charcoal was synchronous with a change in vegetation that included an increase in abundance of fire-promoting Pinus and Picea. Paleo-vegetation reconstructions are consistent with warm summer temperatures, relatively low summer precipitation and an incidence of fire comparable to fire-adapted boreal forests of North America and central Siberia. To our knowledge, this site provides the northernmost evidence of fire during the Pliocene. It suggests that ecosystem productivity was greater than in the present day, providing fuel for wildfires, and that the climate was conducive to the ignition of fire during this period. The results reveal that interactions between paleo-vegetation and paleoclimate were mediated by fire in the High Arctic during the Pliocene, even though CO2 concentrations were similar to modern values.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barbosa, Mariana Cunha, 1991-;
    Country: Portugal

    Os gliomas são os tumores primários mais frequentes do Sistema Nervoso Central, representando 50% de todos os casos de tumores cerebrais. Incluem, entre outros, os astrocitomas (AT) e os oligodendrogliomas (OLG). Uma designação comum para estes tumores, quando se localizam num ou mais lobos cerebrais, na região supratentorial é a de gliomas difusos e atingem, caracteristicamente, jovens adultos. Esses dois tipos de gliomas são considerados de baixo grau e são infiltrativos, de crescimento lento. Os gliomas de baixo grau – grau II, pela Organização Mundial de Saúde – tem uma forte tendência para a progressão maligna, para gliomas anaplásicos (grau III, pela OMS) e até glioblastomas secundários (grau IV, pela OMS), o que, muitas vezes, ocorre após alguns anos, geralmente, entre cerca de 4 a 5. Muitas vezes, após uma resseção cirúrgica de gliomas de baixo grau, as células neoplásicas deixadas no cérebro podem originar um tumor recidivante, que muitas vezes se transforma em glioma de alto grau, com prognóstico variável a longo prazo e uma taxa de sobrevida de entre 5 a 8 anos. A nova classificação da OMS, no que diz respeito a Tumores do Sistema Nervoso Central, revista em 2016, introduziu parâmetros moleculares como mutações IDH, co-deleções de 1p/19q e perdas de ATRX, agrupando os tumores em categorias de acordo com seus perfis genéticos, além dos padrões histológicos usados até então. Sendo assim, é possível classificar os gliomas difusos em astrocitomas, IDH mutantes; oligodendrogliomas, IDH mutantes e 1p/19q co-deletados; astrocitomas IDH wild-type; glioblastomas IDH mutantes; glioblastomas IDH wild-type; oligodendrogliomas sem outras especificações; astrocitomas sem outras especificações; oligoastrocitomas sem outras especificações e glioblastomas sem outras especificações. Os critérios usados para definir o grau de anaplasia dos gliomas, definidos pela OMS, são polimorfismo nuclear e hipercromasia, índice mitótico, proliferação endotelial da microvascularização tumoral e necrose do parênquima tumoral. Estes critérios permitem aos patologistas classificar os gliomas difusos em diferentes graus de malignidade, desde grau II, o menos maligno, até aos graus III e IV, os mais malignos, dos quais o glioblastoma é o mais comum. As alterações moleculares no processo de tumorigénese levam à ativação de oncogenes ou à inativação de genes supressores de tumor. Alguns dos marcadores genéticos de grande relevância no processo de tumorigénese e na determinação do tipo e grau de anaplasia dos gliomas difusos são o 1p/19q (co-deleção), o EGFR, o PTEN e o CDKN2A. A presença de mutação do ATRX ajuda ao diagnóstico dos AT com IDH mutante, distinguindo-os dos OLG. Os AT anaplásicos com mutações combinadas no ATRX e no IDH têm melhor prognóstico do que os que só têm a mutação do IDH. As mutações no codão 132 do gene IDH ocorrem cedo e a uma frequência elevada em AT, OLG de graus II e III, e em glioblastomas secundários desenvolvidos a partir de AT. Os objetivos deste estudo são comparar o perfil imunohistoquímico e as alterações citogenéticas encontradas em 16 casos de doentes com cirurgia a gliomas primários de baixo grau, e a recidiva de grau mais elevado, resultando num total de 32 amostras – 18 oligodendrogliomas, 10 astrocitomas, 3 oligoastrocitomas e 1 gliossarcoma; avaliar e quantificar as alterações e identificar subpopulações baseadas em marcadores, nas amostras de tumores de ambas as cirurgias. Para isso, obtiveram-se lâminas de imunohistoquímica e fizeram-se blocos de Tissue Micro Arrays, dos quais se obtiveram lâminas para Hibridação In Situ por Fluorescência. As proteínas estudadas foram GFAP, IDH1, KI-67, ATRX e Olig-2, e os genes foram CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p e 19q. Realizou-se a técnica de imunohistoquímica para os marcadores IDH, ATRX e GFAP, posteriormente fotografados no microscópio ótico, e analisados com programa Image-J (plugin Colour Deconvolution). Às áreas de interesse foram-lhes atribuídas cores secundárias (cada uma associada a um marcador) e as imagens resultantes foram sobrepostas originando áreas de cores primárias. Foi calculado o rácio de pixéis de cada cor de interesse. Realizou-se igualmente a técnica de imunohistoquímica para os marcadores Olig-2 e KI-67, também fotografados no microscópio ótico e analisados no programa Image-J (plugin ImmunoRatio). Realizou-se ainda Hibridação in situ de fluorescência, para analisar os genes CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p e 19q, em lâminas de Tissue Micro Array, que foram fotografadas no microscópio de fluorescência e analisadas no programa Image-J (plugin Cell Counter para contagem dos núcleos). Este estudo incluiu 18 oligodendrogliomas, 10 astrocitomas, 3 oligoastrocitomas e 1 gliossarcoma. A análise foi feita inicialmente para os marcadores individuais e, em seguida, para as subpopulações definidas, baseadas na classificação actual de gliomas difusos. Nenhuma das amostras estudadas apresentou deleção do gene supressor tumoral PTEN. O estudo de EGFR mostrou amplificação em apenas 6 das 32 amostras, sendo 4 exclusivamente nas recidivas e 1 exclusivamente num tumor primário de baixo grau. O p53 estava mutado em 6 das 32 amostras estudadas, sendo que 4 desses 6 tumores com mutação eram recidivas. Analisando as alterações de primários para recidivas, encontraram-se 4 casos com p53 wild-type no primário e mutação nas recidivas e 1 caso que manteve a mutação em ambos os grupos. O CDKN2A estava deletado no primário e na recidiva em simultâneo, em apenas 1 caso. 6 casos tinham deleções nos primários e apenas 3 tinham deleções nas recidivas. A expressão de KI-67 apresentou valores mais elevados nas recidivas do que nos primários. Relativamente à expressão de Olig-2, observou-se o contrário, sendo os valores mais elevados nos primários do que nas recidivas. Não se encontraram diferenças major nas três subpopulações estudadas (IDH1mut/ATRXloss, IDH1mut/ATRX/1p/19q co-deletadas e IDH1wt) entre as amostras de tumores primários e as suas respectivas recidivas. Descobriram-se mais células tumorais IDH1mut/ATRXloss em recidivas (9799±24384) do que em primários (5053±10116), e mais células tumorais IDH1- em primários (671939±180448) do que nas recidivas (609653±284091). Contudo, estas diferenças não foram muito evidentes. Células IDH1mut/ATRX/1p/19q co-deletadas foram encontradas em apenas um dos dezasseis casos estudados. As proteínas e genes estudados cobrem a maioria das principais vias de sinalização molecular que levam ao desenvolvimento de carcinomas. Contudo, a ausência de variações muito evidentes entre os dois grupos comparados (primário e respetiva recidiva) indica que poder-se-á não estar a estudar os marcadores mais relevantes para esta evolução. Outros marcadores que poderão ser relevantes são o PDGF e o Ras. O PDGF é um agente mitogénico de células mesenquimais, incluindo células gliais e já foi associado a glioblastomas (vias PI3k/AKT e Ras-Raf-Mek-Erk). O gene Ras foi o primeiro oncogene humano a ser identificado e sabe-se que está mutado em cerca de um terço dos carcinomas. Estes são apenas dois exemplos de outras moléculas que podem ser estudadas nos gliomas. Este estudo é um passo noutra direcção, no que diz respeito aos marcadores biológicos em gliomas. Os resultados obtidos levantam variadas questões face aos marcadores estudados e oferecem uma série de sugestões de outros a considerar; e, uma vez que não há bibliografia de suporte, seria interessante continuar a estudar esta linha de progressão tumoral do primário para a recidiva. O objetivo não seria apenas caracterizar subgrupos histológicos de gliomas do ponto de vista genético e molecular mas também, e acima de tudo, tentar compreender a evolução do tumor primário e os mecanismos e ferramentas biológicas presentes no próprio, que lhe permite recidivar com um nível de malignidade superior. Se se conseguir prever estas transformações no tempo, poder-se-á tentar controlar a progressão da doença logo desde o momento do diagnóstico. The most frequent primary tumors of the Central Nervous System are gliomas, representing 50% of all brain tumor cases, which include, among others, astrocytomas and oligodendrogliomas. Those two types of gliomas, considered low-grade gliomas, are infiltrative and slow-growing. Low-grade gliomas (World Health Organization grade II) have a strong tendency for malignant progression to anaplastic gliomas (World Health Organization grade III) and even secondary glioblastomas (World Health Organization grade IV), which often takes place after a few years, usually about 4 to 5. Indeed, after a surgical resection of LGG, cancerous cells left in the brain can give rise to a recurrent tumor, often transformed in a high-grade glioma, with variable long-term prognoses and a survival rate between 5 to 8 years. The new World Health Organization Classification of Tumors of the Central Nervous System, revised in 2016, introduced molecular parameters, such as IDH mutations, 1p/19q co-deletions and ATRX losses, for grouping tumors into categories according to their genetic profiles besides the histologic patterns used until then. The aim of this study is to compare immunohistochemical profile and cytogenetic changes in 16 cases with two different surgeries from the same patient, treated for recurrences, evaluate and quantify those changes and identify marker based subpopulations in tumour samples from both surgeries. The proteins studied were GFAP, IDH1, KI-67, ATRX and Olig-2, and the genes were CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p and 19q. We did not found major differences in the populations we studied (IDH1mut/ATRXloss, IDH1mut/ATRX/1p/19q co-del and IDH1wt) between primaries and their relapses. However, differences were found in Ki-67, Olig-2, EGFR and CDKN2A between the two groups studied (primary tumors and relapses). All proteins and genes studied cover most of the main pathways that lead to cancer development, which may lead us to think that we are looking at the wrong set of markers. We found some results that suggest it should be interesting to continue this type of research of comparing primary tumors with their own relapses, and try to understand what makes tumors relapse in a much more aggressive form, in order to control the progression of the disease right in the moment of the diagnosis. Tese de mestrado, Oncobiologia, Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, 2019

  • Open Access English
    Authors: 
    Stratmann, Tanja; Lins, Lidia; Purser, Autun; Marcon, Yann; Rodrigues, Clara F.; Ravara, Ascensão; Cunha, Marina R.; Simon-Lledó, Erik; Jones, Daniel O. B.; Sweetman, Andrew K.; +2 more
    Project: NWO | Structure and (mal)functi... (2300191283), EC | MIDAS (603418), FCT | SFRH/BPD/107805/2015 (SFRH/BPD/107805/2015)

    Future deep-sea mining for polymetallic nodules in abyssal plains will negatively impact the benthic ecosystem, but it is largely unclear whether this ecosystem will be able to recover from mining disturbance and if so, to what extent and at what timescale. During the “DISturbance and reCOLonization” (DISCOL) experiment, a total of 22 % of the seafloor within a 10.8 km2 circular area of the nodule-rich seafloor in the Peru Basin (SE Pacific) was ploughed in 1989 to bury nodules and mix the surface sediment. This area was revisited 0.1, 0.5, 3, 7, and 26 years after the disturbance to assess macrofauna, invertebrate megafauna and fish density and diversity. We used this unique abyssal faunal time series to develop carbon-based food web models for each point in the time series using the linear inverse modeling approach for sediments subjected to two disturbance levels: (1) outside the plough tracks; not directly disturbed by plough, but probably suffered from additional sedimentation; and (2) inside the plough tracks. Total faunal carbon stock was always higher outside plough tracks compared with inside plough tracks. After 26 years, the carbon stock inside the plough tracks was 54 % of the carbon stock outside plough tracks. Deposit feeders were least affected by the disturbance, with modeled respiration, external predation, and excretion rates being reduced by only 2.6 % inside plough tracks compared with outside plough tracks after 26 years. In contrast, the respiration rate of filter and suspension feeders was 79.5 % lower in the plough tracks after 26 years. The “total system throughput” (T..), i.e., the total sum of modeled carbon flows in the food web, was higher throughout the time series outside plough tracks compared with the corresponding inside plough tracks area and was lowest inside plough tracks directly after the disturbance (8.63 × 10−3 ± 1.58 × 10−5 mmol C m−2 d−1). Even 26 years after the DISCOL disturbance, the discrepancy of T.. between outside and inside plough tracks was still 56 %. Hence, C cycling within the faunal compartments of an abyssal plain ecosystem remains reduced 26 years after physical disturbance, and a longer period is required for the system to recover from such a small-scale sediment disturbance experiment.

  • Open Access English
    Authors: 
    Conde, Joana Barros Mendes Nazaré;
    Country: Portugal

    As microalgas apresentam capacidade de produzir uma variedade de compostos de alto valor económico. Contudo, a contaminação das culturas com bactérias representa um problema critico na produção a escala industrial, uma vez que a presença de organismos potencialmente patogénicos pode impossibilitar a entrada dos produtos no mercado. De forma a estabelecer a qualidade da biomassa produzida, e de fundamental importância a implementação de métodos de deteção de possíveis contaminantes. O facto da bactéria vibrio se encontrar amplamente difundida em ambientes aquáticos torna-a num possível contaminante das culturas de microalgas. Devido a sua capacidade de infetar não só animais mas também seres humanos, as contaminações representam uma ameaça preocupante para a saúde humana. Vibrio cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus representam as espécies detetadas com maior frequência e responsáveis por um aumento mundial de infeções transmitidas por alimentos marinhos. A sua ausência na biomassa de microalgas produzida para alimentação e rações e crucial e, consequentemente, a sua detecção deve basear-se em métodos eficazes. Como consequência do aumento da produção de microalgas, o objetivo principal desta dissertação foi implementar métodos internos para detetar estas três espécies de Vibrio na biomassa de microalgas. O principal método testado consistiu na ISO (International Organization for Standardization) 21872-1: 2017, baseado na presença/ausência da bactéria, de forma a satisfazer a exigência dos clientes por um método oficial. O objetivo final foi inferir se compensa implementar as análises no laboratório da A4F ou se seria preferível solicitar a sua realização a um laboratório externo de referência. Primeiramente, foram implementadas as medidas de biossegurança requeridas para trabalhar com microrganismos de risco II no laboratório da A4F. As duas partes da ISO/TS 21872-1:2007 foram compiladas num único documento, a ISO 21872-1:2017, dedicada a deteção de V. cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus. Atendendo ao facto de todas as análises previamente realizadas pelo laboratório externo terem fornecido um resultado negativo para a deteção das espécies de Vibrio, era expetável a sua ausência na biomassa. Consequentemente, o objetivo era inferir o número de etapas necessárias para descartar falsos positivos. Para tal, as amostras analisadas foram previamente testadas pelo laboratório de referência como negativas. O método da ISO 21872-1:2017 compreendeu quatro etapas principais: enriquecimento seletivo, isolamento, identificação e confirmação. Os dois enriquecimentos seletivos sucessivos foram realizados em água peptonada salina alcalina (ASPW) e as posteriores etapas de isolamento e identificação consistiram no plaqueamento em TCBS e num segundo meio seletivo, CHROMagarTM. Em relação aos controlos positivos, as colonias obtidas em CHROMagarTM corresponderam ao esperado. Em TCBS, tirando o facto de as colonias de V. cholerae serem menores do que era descrito, V. cholerae e V. parahaemolyticus originaram colónias típicas. Contrariamente, as colónias de V. vulnificus apresentaram uma coloração amarela em detrimento de verde. Posteriormente, todos os controlos positivos foram confirmados por PCR e esta discrepância justificada pelo facto de algumas estirpes de V. vulnificus fermentarem sacarose, resultando na coloração amarela. Conclui-se assim que a fermentação de sacarose não representa um factor discriminatório. Não obstante, visto que o objetivo era detetar todas as espécies abrangidas pela ISO 21872-1:2017, o método não foi influenciado. Na análise das amostras, o enriquecimento seletivo seguido de plaqueamento em CHROMagarTM e TCBS demostrou menos seletividade do que declarado pelos fabricantes, considerando que permitiu o desenvolvimento de uma ampla gama de colonias de falsos positivos com dimensões iguais ou inferiores a 1 mm. Visto que o controlo positivo de V. cholerae apresentou colonias menores do que o expetável em TCBS, o tamanho das colonias típicas foi negligenciado como fator discriminatório e todas as colonias verdes e amarelas em TCBS e roxas ou azuis em CHROMagarTM prosseguiram para as etapas de confirmação, resultando num método demorado. Contudo, verificou-se realmente uma discrepância entre o tamanho das colonias da amostra (1 mm ou inferior) e o tamanho esperado (2 - 3 mm) em TCBS e apenas foram obtidos aglomerados roxos ou azuis em CHROMagarTM sem colonias isoladas. Essas evidências, aliadas ao facto de que V. cholerae apresentou colonias típicas em CHROMagarTM, poderiam indicar que essas colonias não eram as espécies de Vibrio em teste. Contudo, era necessário confirmação adicional. A etapa de confirmação consistiu nos testes de coloração de Gram, teste de oxidase e ausência/presença de células móveis. O genero Vibrio corresponde a bactérias Gram-negativas, oxidase positivas e com células móveis. Contudo, nem todos os controlos positivos apresentaram células móveis e, consequentemente, este teste tornou-se inviável. Adicionalmente, a incapacidade destes testes de eliminar todos os falsos positivos levou a omissão desta etapa, prosseguindo diretamente para PCR. A conclusão de todas as análises foi “Ausência de V. cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus, potencialmente enteropatogénicos, em 25 g da pasta de acordo com a ISO 21872-1: 2017”, coincidindo com os resultados fornecidos pelo laboratório externo de referência. Adicionalmente ao método oficial, o primer para o género Vibrio permitiu inferir que os contaminantes que originaram as colonias de falsos positivos nao pertenciam a este género. Alem disso, apesar do PCR realizado diretamente no enriquecimento secundário não ter detetado nenhuma das três espécies, revelou a presença do género Vibrio, demostrando limitações do método microbiológico. Contudo, considerando que nem todas as bactérias pertencentes ao género Vibrio são potencialmente patogénicas, isto não significava, obrigatoriamente, uma ameaça para a saúde humana. Com o objetivo de inferir se o elevado número de falsos positivos podia originar resultados falsos negativos para deteção de vibrio, a ultima etapa laboratorial consistiu em testar amostras artificialmente contaminadas com 10 Unidades Formadoras de Colonias (UFC) e 100 UFC de cada espécie de Vibrio. Em ambos os meios, foram identificadas colonias típicas, com as dimensões expetáveis. Consequentemente, embora V. cholera tenha originado colonias menores em TCBS, esta espécie formou colonias típicas no segundo meio seletivo. O facto de V. cholerae ter originado colonias típicas em CHROMagarTM confirmou a sua maior eficácia e a importância da complementaridade entre os dois meios. Concluindo, embora haja um elevado numero de colonias de falsos positivos, a diferença de tamanho aliada a complementaridade dos meios permitiu detetar as três espécies de Vibrio e descartar falsos positivos, incluindo as colonias com menos de 1 mm em TCBS. Quanto a comparacao entre PCR realizado diretamente no segundo enriquecimento e o método oficial, apenas V. cholerae apresentou discrepância. Esta espécie foi detetada em CHROMagarTM, mas não foi detetada no enriquecimento. Isso demostra que nenhum método e ideal e que a realização de PCR diretamente em suspensões de enriquecimento não e, por si só, um método passível de substituir o método da ISO 21872-1: 2017. Por último, de forma a averiguar a viabilidade económica da realização das análises internamente, em detrimento da sua requisição a um laboratório de referencia, realizou-se a analise financeira do método. O custo da realização da análise no laboratório da A4F demostrou ser aproximadamente três vezes superior ao preço providenciado pelo laboratório externo. Como tal, não compensava financeiramente a implementação interna deste método. Como perspectivas futuras, e expetável o desenvolvimento e aprovação de novos métodos oficiais que poderão ser mais favoráveis economicamente. Paralelamente, considerando os recursos disponíveis, o segundo objetivo consistiu em utilizar sondas de hibridização fluorescente in situ (FISH), fornecidas pela Biomode SA, como método de deteção de V. vulnificus, V. parahaemolyticus e V. cholerae diretamente em amostras de cultura de microalgas. Durante a otimização do protocolo, um dos problemas enfrentados foi a autofluorescência da clorofila nas microalgas. Para solucionar este problema, o Negro Sudão B foi testado, com sucesso, como tratamento de redução da autofluorescência. De modo a inferir o limite de deteção do método, foi obtida a seguinte correlação entre UFC e Densidade Ótica (DO): UFC = (109) ・ (DO) + 7 ・ 108. Em seguida, as amostras de Nannochloropsis foram artificialmente contaminadas com diluições seriadas de concentrações conhecidas de V. parahaemolyticus. O limite de deteção obtido, 106 CFU mL-1, encontrou-se dentro do valor esperado em microscopia de fluorescência. Em todas as amostras testadas, vibrio nunca foi detetado em pastas de biomassa da A4F, possivelmente como consequência de Nannochloropsis apresentar capacidade de suprimir quantitativamente e qualitativamente o crescimento de algumas espécies de Vibrio. Deste modo, mesmo que vibrio estivesse presente, seria expetável que as UFC mL-1 permanecessem em valores reduzidos. Consequentemente, seria necessário uma etapa de enriquecimento, por exemplo em ASPW. Contudo, juntamente com o pré-requisito das etapas adicionais para inibição da autofluorescência das microalgas, o método demostrou ser demorado e com um limite de deteção acima dos valores esperados nas culturas. Portanto, a menos que vibrio se tornasse numa contaminação comum em culturas na A4F, não seria necessário a realização de análises de rotina. Adicionalmente, este método só poderia ser implementado como análise de rotina se as contaminações de vibrio apresentassem uma elevada carga bacteriana, considerando que teria de ser superior a 106 UFC mL-1 para ser detetado. Caso estas espécies de Vibrio fossem detetadas, as culturas seriam descartadas imediatamente, permitindo economizar futuros recursos em culturas que não poderiam ser comercializadas. Como perspetivas futuras, deveriam ser desenvolvidas sondas com diferentes fluorocromos, como por exemplo fluorescamina. Considering the increasing microalgae production, the main goal of this dissertation was to implement methods to detect Vibrio cholerae, V. parahaemolyticus, and V. vulnificus in microalgae biomass. To satisfy the customers’ request for a standard method, the International Organization for Standardization (ISO) 21872-1:2017 was chosen. The final goal was to infer if it was profitable to implement the method at A4F’s laboratory rather than asking a reference laboratory. A positive result for Vibrio spp. was never previously obtained and so its absence was expected in the biomass. The aim was to understand the number of steps required to rule out false positives on samples previously tested as negative by the reference laboratory. The method comprised four main steps: selective enrichment in Alkaline Saline Peptone Water (ASPW), isolation and identification in Thiosulfate Citrate Bile and Sucrose (TCBS) agar and CHROMagarTM and, lastly, the confirmation steps. The selective enrichment step followed by plating on CHROMagarTM and TCBS were not as selective as stated by manufactures and allowed the growth of a wide range of false positive colonies with 1 mm or less. Since V. cholerae positive control presented smaller colonies on TCBS, the size of colonies was first neglected as a discriminatory factor. Although some evidences indicated that these colonies were not Vibrio spp., further confirmation was required. The confirmation step started with Gram staining, oxidase test and examination of motility. The inability of these tests to rule out all false positives led to the non-inclusion of these steps and advancing directly to PCR. The conclusion of all the analysis was that “Potentially enteropathogenic V. cholerae, V. parahaemolyticus and V. vulnificus were not detected in 25 g of the paste according to the ISO 21872-1:2017”. Additionally to the official method, the contaminants colonies did not belong to the genus Vibrio but that genus was detected by PCR in the secondary enrichment samples, which showed some limitations of the platting method. Even though, since not all bacteria belonging to the genus Vibrio are pathogenic, it did not mean, for itself, a threat to the human health. Lastly, spiked samples with the three Vibrio spp. were tested. Even though a high number of false positive colonies was present, the difference in size along with the complementarity of both media allowed to detect the three Vibrio spp. and to rule out false positives, including the colonies with less than 1 mm. The comparison between direct PCR to the enrichment broths and the official method proved that no method is ideal and PCR screening of enrichment broths was not, for itself, a reliable method to replace the ISO method. Ultimately, the financial analysis stated that the cost per analysis was approximately three times higher than the price provided by the reference laboratory. Hence, it was not cost-effective to implement the method. Additionally, Fluorescence In Situ Hybridization (FISH) probes provided by Biomode SA were tested as a method to detect V. vulnificus, V. parahaemolyticus and V. cholerae directly in microalgae culture samples. The detection of Vibrio spp. would lead to the disposal of these cultures in order to avoid further costs in cultures that could not be commercialized. To counteract the autofluorescence of chlorophyll in the microalgae, Sudan Black B was successfully tested. The limit of detection obtained, 106 CFU mL-1, was within the value expected for microscopic observation. Although, the requirement of an enrichment step, together with the prerequisite of the additional steps to inhibit the autofluorescence, turned the method time-consuming and with a detection limit above the expected values for Vibrio spp. in the cultures. Tese de mestrado, Microbiologia Aplicada, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2019

  • Other research product . Collection . 2019
    Open Access English
    Authors: 
    Waelbroeck, Claire; Lougheed, Bryan C; Vázquez Riveiros, Natalia; Missiaen, Lise; Pedro, Joel B; Dokken, Trond; Hajdas, Irka; Wacker, Lukas; Abbott, Peter M; Dumoulin, Jean-Pascal; +53 more
    Publisher: PANGAEA - Data Publisher for Earth & Environmental Science
    Project: EC | ACCLIMATE (339108), FCT | UID/Multi/04326/2019 (UID/Multi/04326/2019), EC | ICE2ICE (610055)

    Rapid changes in ocean circulation and climate have been observed in marine-sediment and ice cores over the last glacial period and deglaciation, highlighting the non-linear character of the climate system and underlining the possibility of rapid climate shifts in response to anthropogenic greenhouse gas forcing. To date, these rapid changes in climate and ocean circulation are still not fully explained. One obstacle hindering progress in our understanding of the interactions between past ocean circulation and climate changes is the difficulty of accurately dating marine cores. Here, we present a set of 92 marine sediment cores from the Atlantic Ocean for which we have established age-depth models that are consistent with the Greenland GICC05 ice core chronology, and computed the associated dating uncertainties, using a new deposition modeling technique. This is the first set of consistently dated marine sediment cores enabling paleoclimate scientists to evaluate leads/lags between circulation and climate changes over vast regions of the Atlantic Ocean. Moreover, this data set is of direct use in paleoclimate modeling studies.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barriga, Fernando J A S;
    Publisher: Universidade do Algarve
    Country: Portugal
    Project: EC | BLUE MINING (604500)

    The dependence of modern societies upon critical raw materials (nearly all metals) is overwhelming. Some believe that demand is growing faster than offer, not only because of geological availability but also for political and economic reasons. For these reasons it is imperative to consider new sources for raw materials.The seafloor stands as a likely candidate. We must create readiness now to be prepared when the need comes. One of the greatest fears is the environmental cost involved in mining the deep seafloor. However, the mining industry no longer deserves its partially not favorable reputation. We need both the resources and the environment. And nIMBY (not In My Back Yard) will not help.

Advanced search in Research products
Research products
arrow_drop_down
Searching FieldsTerms
Any field
arrow_drop_down
includes
arrow_drop_down
Include:
The following results are related to European Marine Science. Are you interested to view more results? Visit OpenAIRE - Explore.
35 Research products, page 1 of 4
  • English
    Authors: 
    Carreiro-Silva, Marina; Martins, Ines; Raimundo, Joana; Caetano, Miguel; Bettencourt, Raul; Cerqueira, Teresa; Colaço, Ana;
    Publisher: PANGAEA - Data Publisher for Earth & Environmental Science
    Project: FCT | Mining2/0005/2017 (Mining2/0005/2017), EC | MIDAS (603418), EC | iAtlantic (818123), EC | ATLAS (678760)

    We report the results of an aquaria-based experiment testing the effects of suspended particles generated during potential mining activities, on a common habitat-building coral species in the Azores, Dentomuricea aff. meteor. Corals were collected from the summit of Condor Seamount (Azores, NE Atlantic) at depths between 185-210 m in August 2014. Coral fragments were maintained in 10-L aquaria and exposed to three experimental treatments for a period of four weeks at the DeepSeaLab aquaria facilities (Okeanos-University of the Azores): (1) control conditions (no added sediments); (2) suspended polymetallic sulphide (PMS) particles; (3) suspended quartz particles. PMS particles were obtained by grinding PMS inactive chimney rocks collected at the hydrothermal vent field Lucky Strike. Both particle types were delivered at a concentration of 25 mg L-1. The putative effects of PMS particles were evaluated through measurements of the coral physiological responses at the levels of the organism (oxygen consumption, ammonium excretion), tissue (bioaccumulation of metals) and cell (enzyme activity and gene expression).

  • Embargo English
    Authors: 
    Fonseca, Sara Gomes;
    Country: Portugal

    Ingredientes naturais têm sido usados tradicionalmente por milénios e a sua aplicação em cremes tópicos, loções e preparações dentro da medicina tradicional e tradições de cura em muitas culturas têm sido observadas. Nos últimos 20 anos, estudos laboratoriais e clínicos têm identificado os benefícios de uma variedade de ingredientes naturais para cuidados de pele. Consequentemente, alguns destes ingredientes e compostos estão a ser desenvolvidos, usados ou considerados não só para efeitos anti idade, mas também para distúrbios dermatológicos. Certos ingredientes como lama marinha e quitosano, têm sido identificados como benéficos no tratamento de psoríase e dermatite atópica, devido às suas propriedades anti-inflamatórias. Para combater acne, sargafurano e diterpenóides cembrene são considerados eficazes. Já para a hiperpigmentação e capacidades antioxidantes, florotaninos e fucoidano estão entre os compostos que se consideram mais benéficos. Pesquisa adicional é necessária para determinar, confirmar e elucidar os benefícios destes ingredientes na prevenção e controlo dos distúrbios de pele. Natural ingredients have been used traditionally for millennia and their application in topical creams, lotions and preparations within the traditional medicines and healing traditions of many cultures has been observed. Over the last 20 years, clinical and laboratory studies have identified the benefits of an array of marine natural ingredients for cosmetic. Consequently, a number of these ingredients and compounds are today being developed, used or considered not only for anti-aging effects, but also for use in dermatologic disorders. Certain ingredients, such as sea mud and chitosan, have been identified as beneficial in the treatment of psoriasis and atopic dermatitis, due to their anti-inflammatory properties. For combating acne, sargafuran and cembrene diterpenoids are considered efficacious. As to hyperpigmentation and antioxidative capabilities, phlorotannins and fucoidan are among those compounds found to be most beneficial. Additional research is needed to determine, confirm and elucidate the benefits of these ingredients in the prevention and management of skin disease. Trabalho Final de Mestrado Integrado, Ciências Farmacêuticas, 2021, Universidade de Lisboa, Faculdade de Farmácia.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barros, Eduarda Daniela Silva;
    Country: Portugal

    Os antidepressivos estão entre os fármacos mais identificados em sistemas aquosos e, como poluentes orgânicos emergentes, podem exercer efeitos negativos em organismos aquáticos não alvo. Em consequência do aumento continuado das concentrações no meio ambiente, os impactos biológicos destes compostos nos peixes têm sido discutidos. a exposição aos produtos farmacêuticos tem originado alterações no comportamento, reprodução e desenvolvimento. Além disso, estudos demonstraram que a exposição aos antidepressivos resulta num aumento substancial na mortalidade, atrasos no desenvolvimento, anomalia morfológicas e alterações patológicas no cérebro, coração e rim cranial e caudal. O desenvolvimento do cérebro e do sistema visual é particularmente suscetível aos efeitos da exposição pré-natal a substâncias neuroativas. A avaliação da resposta motora visual no peixe-zebra demonstrou que os antidepressivos modificam o perfil da locomoção espontânea com maior regularidade, apresentando variação significativa nos efeitos comportamentais. Em peixes, a análise de expressão génica global pode revelar efeitos de tóxicos em vias bioquímicas inesperadas, elucidar mecanismos de toxicidade e ser utilizada para avaliação de perfis de expressão génica para definir diferenças/semelhanças nas respostas de organismos aos tóxicos. O objetivo deste estudo é resumir o conhecimento atual sobre os impactos dos compostos neuroativos em animais não visados que vivem em águas superficiais, especialmente ao nível do cérebro e do sistema visual. Antidepressants are among the most identified pharmaceuticals in aqueous system, and, as emerging organic pollutants, can exert negative effects of non-target aquatic organisms. As the concentrations in the environment are incessantly increasing the biological impacts of theses compounds in fish have beeun under discussion. The exposure to these pharmaceuticals porducts has been prodicung alterations in behaviour, reproduction, and development. Also, studies demonstrate that exposure to antidepressants result in a substantial rise in mortality, development retardation, morphological anomalies, and pathological changes in brain, heart, and ranial and caudal kidney. The development of the brain and visual system is particularly susceptible to the effects of prenatal exposure to neuroactive drugs. Assessing the visual motor responce in zebrafish, demonstrated that antidepressants most regularly modify the profile os spontaneous locomotion having significant variation in behavioral effects. In fish, global gene expression analysis can reveal effects of toxicants on unexpected biochemical pathways, elucidate mechanisms of toxicity and be utilized for assessment of gene expression profiles to define differences/similarities in responses of organisms to toxicants. The aim of this syudy is to summarize current knowledge about the impacts of neuroactive compounds on non-target animals living in surface waters, especially at the level of the brain and visual system.

  • Open Access English
    Authors: 
    Smith, Craig R.; Tunnicliffe, Verena; Colaco, Ana; Drazen, Jeffrey C.; Gollner, Sabine; Levin, Lisa A.; Mestre, Nélia; Metaxas, Anna; Molodtsova, Tina N.; Morato, Telmo; +3 more
    Publisher: ELSEVIER SCIENCE LONDON
    Country: Portugal
    Project: EC | SCAN-Deep (747946), EC | ATLAS (678760)

    Gordon & Betty Moore FoundationGordon and Betty Moore Foundation [5596]; Canada Research Chairs FoundationCanada Research Chairs; European Union's Horizon 2020 research and innovation programme under Marie Sklodowska-Curie grant [747946]; Fundacao para a Ciencia e Tecnologia I.P. Portugal (FCT); Direcao-Geral de Politica do Mar (DGPM) [2/2017/001-MiningImpact 2]; FCTPortuguese Foundation for Science and TechnologyEuropean Commission [CEECIND005262017, UID/MAR/00350/2013, IF/01194/2013, IF/00029/2014/CP1230/CT0002, Mining2/0005/2017]; RF State Assignment [0149-2019-0009]; Horizon 2020 Agricultural Interoperability and Analysis System (ATLAS) projects [678760]; JM Kaplan Fund; National Science FoundationNational Science Foundation (NSF) [OCE 1634172]; JPI Oceans project Mining Impact -Environmental Impacts and Risks of Deep-Sea Mining Aug 2018-Feb 2022 (NWO-ALW) [856.18.001] info:eu-repo/semantics/publishedVersion

  • Open Access English
    Authors: 
    Fletcher, Tamara L.; Warden, Lisa; Sinninghe Damsté, Jaap S.; Brown, Kendrick J.; Rybczynski, Natalia; Gosse, John C.; Ballantyne, Ashley P.;
    Project: NSERC , EC | PACEMAKER (226600), NSF | Collaborative Research: A... (1418421), NWO | Perturbations of System E... (2300181601)

    The mid-Pliocene is a valuable time interval for investigating equilibrium climate at current atmospheric CO2 concentrations because atmospheric CO2 concentrations are thought to have been comparable to the current day and yet the climate and distribution of ecosystems were quite different. One intriguing, but not fully understood, feature of the early to mid-Pliocene climate is the amplified Arctic temperature response and its impact on Arctic ecosystems. Only the most recent models appear to correctly estimate the degree of warming in the Pliocene Arctic and validation of the currently proposed feedbacks is limited by scarce terrestrial records of climate and environment. Here we reconstruct the summer temperature and fire regime from a subfossil fen-peat deposit on west–central Ellesmere Island, Canada, that has been chronologically constrained using cosmogenic nuclide burial dating to 3.9+1.5/-0.5 Ma. The estimate for average mean summer temperature is 15.4±0.8 ∘C using specific bacterial membrane lipids, i.e., branched glycerol dialkyl glycerol tetraethers. This is above the proposed threshold that predicts a substantial increase in wildfire in the modern high latitudes. Macro-charcoal was present in all samples from this Pliocene section with notably higher charcoal concentration in the upper part of the sequence. This change in charcoal was synchronous with a change in vegetation that included an increase in abundance of fire-promoting Pinus and Picea. Paleo-vegetation reconstructions are consistent with warm summer temperatures, relatively low summer precipitation and an incidence of fire comparable to fire-adapted boreal forests of North America and central Siberia. To our knowledge, this site provides the northernmost evidence of fire during the Pliocene. It suggests that ecosystem productivity was greater than in the present day, providing fuel for wildfires, and that the climate was conducive to the ignition of fire during this period. The results reveal that interactions between paleo-vegetation and paleoclimate were mediated by fire in the High Arctic during the Pliocene, even though CO2 concentrations were similar to modern values.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barbosa, Mariana Cunha, 1991-;
    Country: Portugal

    Os gliomas são os tumores primários mais frequentes do Sistema Nervoso Central, representando 50% de todos os casos de tumores cerebrais. Incluem, entre outros, os astrocitomas (AT) e os oligodendrogliomas (OLG). Uma designação comum para estes tumores, quando se localizam num ou mais lobos cerebrais, na região supratentorial é a de gliomas difusos e atingem, caracteristicamente, jovens adultos. Esses dois tipos de gliomas são considerados de baixo grau e são infiltrativos, de crescimento lento. Os gliomas de baixo grau – grau II, pela Organização Mundial de Saúde – tem uma forte tendência para a progressão maligna, para gliomas anaplásicos (grau III, pela OMS) e até glioblastomas secundários (grau IV, pela OMS), o que, muitas vezes, ocorre após alguns anos, geralmente, entre cerca de 4 a 5. Muitas vezes, após uma resseção cirúrgica de gliomas de baixo grau, as células neoplásicas deixadas no cérebro podem originar um tumor recidivante, que muitas vezes se transforma em glioma de alto grau, com prognóstico variável a longo prazo e uma taxa de sobrevida de entre 5 a 8 anos. A nova classificação da OMS, no que diz respeito a Tumores do Sistema Nervoso Central, revista em 2016, introduziu parâmetros moleculares como mutações IDH, co-deleções de 1p/19q e perdas de ATRX, agrupando os tumores em categorias de acordo com seus perfis genéticos, além dos padrões histológicos usados até então. Sendo assim, é possível classificar os gliomas difusos em astrocitomas, IDH mutantes; oligodendrogliomas, IDH mutantes e 1p/19q co-deletados; astrocitomas IDH wild-type; glioblastomas IDH mutantes; glioblastomas IDH wild-type; oligodendrogliomas sem outras especificações; astrocitomas sem outras especificações; oligoastrocitomas sem outras especificações e glioblastomas sem outras especificações. Os critérios usados para definir o grau de anaplasia dos gliomas, definidos pela OMS, são polimorfismo nuclear e hipercromasia, índice mitótico, proliferação endotelial da microvascularização tumoral e necrose do parênquima tumoral. Estes critérios permitem aos patologistas classificar os gliomas difusos em diferentes graus de malignidade, desde grau II, o menos maligno, até aos graus III e IV, os mais malignos, dos quais o glioblastoma é o mais comum. As alterações moleculares no processo de tumorigénese levam à ativação de oncogenes ou à inativação de genes supressores de tumor. Alguns dos marcadores genéticos de grande relevância no processo de tumorigénese e na determinação do tipo e grau de anaplasia dos gliomas difusos são o 1p/19q (co-deleção), o EGFR, o PTEN e o CDKN2A. A presença de mutação do ATRX ajuda ao diagnóstico dos AT com IDH mutante, distinguindo-os dos OLG. Os AT anaplásicos com mutações combinadas no ATRX e no IDH têm melhor prognóstico do que os que só têm a mutação do IDH. As mutações no codão 132 do gene IDH ocorrem cedo e a uma frequência elevada em AT, OLG de graus II e III, e em glioblastomas secundários desenvolvidos a partir de AT. Os objetivos deste estudo são comparar o perfil imunohistoquímico e as alterações citogenéticas encontradas em 16 casos de doentes com cirurgia a gliomas primários de baixo grau, e a recidiva de grau mais elevado, resultando num total de 32 amostras – 18 oligodendrogliomas, 10 astrocitomas, 3 oligoastrocitomas e 1 gliossarcoma; avaliar e quantificar as alterações e identificar subpopulações baseadas em marcadores, nas amostras de tumores de ambas as cirurgias. Para isso, obtiveram-se lâminas de imunohistoquímica e fizeram-se blocos de Tissue Micro Arrays, dos quais se obtiveram lâminas para Hibridação In Situ por Fluorescência. As proteínas estudadas foram GFAP, IDH1, KI-67, ATRX e Olig-2, e os genes foram CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p e 19q. Realizou-se a técnica de imunohistoquímica para os marcadores IDH, ATRX e GFAP, posteriormente fotografados no microscópio ótico, e analisados com programa Image-J (plugin Colour Deconvolution). Às áreas de interesse foram-lhes atribuídas cores secundárias (cada uma associada a um marcador) e as imagens resultantes foram sobrepostas originando áreas de cores primárias. Foi calculado o rácio de pixéis de cada cor de interesse. Realizou-se igualmente a técnica de imunohistoquímica para os marcadores Olig-2 e KI-67, também fotografados no microscópio ótico e analisados no programa Image-J (plugin ImmunoRatio). Realizou-se ainda Hibridação in situ de fluorescência, para analisar os genes CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p e 19q, em lâminas de Tissue Micro Array, que foram fotografadas no microscópio de fluorescência e analisadas no programa Image-J (plugin Cell Counter para contagem dos núcleos). Este estudo incluiu 18 oligodendrogliomas, 10 astrocitomas, 3 oligoastrocitomas e 1 gliossarcoma. A análise foi feita inicialmente para os marcadores individuais e, em seguida, para as subpopulações definidas, baseadas na classificação actual de gliomas difusos. Nenhuma das amostras estudadas apresentou deleção do gene supressor tumoral PTEN. O estudo de EGFR mostrou amplificação em apenas 6 das 32 amostras, sendo 4 exclusivamente nas recidivas e 1 exclusivamente num tumor primário de baixo grau. O p53 estava mutado em 6 das 32 amostras estudadas, sendo que 4 desses 6 tumores com mutação eram recidivas. Analisando as alterações de primários para recidivas, encontraram-se 4 casos com p53 wild-type no primário e mutação nas recidivas e 1 caso que manteve a mutação em ambos os grupos. O CDKN2A estava deletado no primário e na recidiva em simultâneo, em apenas 1 caso. 6 casos tinham deleções nos primários e apenas 3 tinham deleções nas recidivas. A expressão de KI-67 apresentou valores mais elevados nas recidivas do que nos primários. Relativamente à expressão de Olig-2, observou-se o contrário, sendo os valores mais elevados nos primários do que nas recidivas. Não se encontraram diferenças major nas três subpopulações estudadas (IDH1mut/ATRXloss, IDH1mut/ATRX/1p/19q co-deletadas e IDH1wt) entre as amostras de tumores primários e as suas respectivas recidivas. Descobriram-se mais células tumorais IDH1mut/ATRXloss em recidivas (9799±24384) do que em primários (5053±10116), e mais células tumorais IDH1- em primários (671939±180448) do que nas recidivas (609653±284091). Contudo, estas diferenças não foram muito evidentes. Células IDH1mut/ATRX/1p/19q co-deletadas foram encontradas em apenas um dos dezasseis casos estudados. As proteínas e genes estudados cobrem a maioria das principais vias de sinalização molecular que levam ao desenvolvimento de carcinomas. Contudo, a ausência de variações muito evidentes entre os dois grupos comparados (primário e respetiva recidiva) indica que poder-se-á não estar a estudar os marcadores mais relevantes para esta evolução. Outros marcadores que poderão ser relevantes são o PDGF e o Ras. O PDGF é um agente mitogénico de células mesenquimais, incluindo células gliais e já foi associado a glioblastomas (vias PI3k/AKT e Ras-Raf-Mek-Erk). O gene Ras foi o primeiro oncogene humano a ser identificado e sabe-se que está mutado em cerca de um terço dos carcinomas. Estes são apenas dois exemplos de outras moléculas que podem ser estudadas nos gliomas. Este estudo é um passo noutra direcção, no que diz respeito aos marcadores biológicos em gliomas. Os resultados obtidos levantam variadas questões face aos marcadores estudados e oferecem uma série de sugestões de outros a considerar; e, uma vez que não há bibliografia de suporte, seria interessante continuar a estudar esta linha de progressão tumoral do primário para a recidiva. O objetivo não seria apenas caracterizar subgrupos histológicos de gliomas do ponto de vista genético e molecular mas também, e acima de tudo, tentar compreender a evolução do tumor primário e os mecanismos e ferramentas biológicas presentes no próprio, que lhe permite recidivar com um nível de malignidade superior. Se se conseguir prever estas transformações no tempo, poder-se-á tentar controlar a progressão da doença logo desde o momento do diagnóstico. The most frequent primary tumors of the Central Nervous System are gliomas, representing 50% of all brain tumor cases, which include, among others, astrocytomas and oligodendrogliomas. Those two types of gliomas, considered low-grade gliomas, are infiltrative and slow-growing. Low-grade gliomas (World Health Organization grade II) have a strong tendency for malignant progression to anaplastic gliomas (World Health Organization grade III) and even secondary glioblastomas (World Health Organization grade IV), which often takes place after a few years, usually about 4 to 5. Indeed, after a surgical resection of LGG, cancerous cells left in the brain can give rise to a recurrent tumor, often transformed in a high-grade glioma, with variable long-term prognoses and a survival rate between 5 to 8 years. The new World Health Organization Classification of Tumors of the Central Nervous System, revised in 2016, introduced molecular parameters, such as IDH mutations, 1p/19q co-deletions and ATRX losses, for grouping tumors into categories according to their genetic profiles besides the histologic patterns used until then. The aim of this study is to compare immunohistochemical profile and cytogenetic changes in 16 cases with two different surgeries from the same patient, treated for recurrences, evaluate and quantify those changes and identify marker based subpopulations in tumour samples from both surgeries. The proteins studied were GFAP, IDH1, KI-67, ATRX and Olig-2, and the genes were CDKN2A, p53, EGFR, PTEN, 1p and 19q. We did not found major differences in the populations we studied (IDH1mut/ATRXloss, IDH1mut/ATRX/1p/19q co-del and IDH1wt) between primaries and their relapses. However, differences were found in Ki-67, Olig-2, EGFR and CDKN2A between the two groups studied (primary tumors and relapses). All proteins and genes studied cover most of the main pathways that lead to cancer development, which may lead us to think that we are looking at the wrong set of markers. We found some results that suggest it should be interesting to continue this type of research of comparing primary tumors with their own relapses, and try to understand what makes tumors relapse in a much more aggressive form, in order to control the progression of the disease right in the moment of the diagnosis. Tese de mestrado, Oncobiologia, Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, 2019

  • Open Access English
    Authors: 
    Stratmann, Tanja; Lins, Lidia; Purser, Autun; Marcon, Yann; Rodrigues, Clara F.; Ravara, Ascensão; Cunha, Marina R.; Simon-Lledó, Erik; Jones, Daniel O. B.; Sweetman, Andrew K.; +2 more
    Project: NWO | Structure and (mal)functi... (2300191283), EC | MIDAS (603418), FCT | SFRH/BPD/107805/2015 (SFRH/BPD/107805/2015)

    Future deep-sea mining for polymetallic nodules in abyssal plains will negatively impact the benthic ecosystem, but it is largely unclear whether this ecosystem will be able to recover from mining disturbance and if so, to what extent and at what timescale. During the “DISturbance and reCOLonization” (DISCOL) experiment, a total of 22 % of the seafloor within a 10.8 km2 circular area of the nodule-rich seafloor in the Peru Basin (SE Pacific) was ploughed in 1989 to bury nodules and mix the surface sediment. This area was revisited 0.1, 0.5, 3, 7, and 26 years after the disturbance to assess macrofauna, invertebrate megafauna and fish density and diversity. We used this unique abyssal faunal time series to develop carbon-based food web models for each point in the time series using the linear inverse modeling approach for sediments subjected to two disturbance levels: (1) outside the plough tracks; not directly disturbed by plough, but probably suffered from additional sedimentation; and (2) inside the plough tracks. Total faunal carbon stock was always higher outside plough tracks compared with inside plough tracks. After 26 years, the carbon stock inside the plough tracks was 54 % of the carbon stock outside plough tracks. Deposit feeders were least affected by the disturbance, with modeled respiration, external predation, and excretion rates being reduced by only 2.6 % inside plough tracks compared with outside plough tracks after 26 years. In contrast, the respiration rate of filter and suspension feeders was 79.5 % lower in the plough tracks after 26 years. The “total system throughput” (T..), i.e., the total sum of modeled carbon flows in the food web, was higher throughout the time series outside plough tracks compared with the corresponding inside plough tracks area and was lowest inside plough tracks directly after the disturbance (8.63 × 10−3 ± 1.58 × 10−5 mmol C m−2 d−1). Even 26 years after the DISCOL disturbance, the discrepancy of T.. between outside and inside plough tracks was still 56 %. Hence, C cycling within the faunal compartments of an abyssal plain ecosystem remains reduced 26 years after physical disturbance, and a longer period is required for the system to recover from such a small-scale sediment disturbance experiment.

  • Open Access English
    Authors: 
    Conde, Joana Barros Mendes Nazaré;
    Country: Portugal

    As microalgas apresentam capacidade de produzir uma variedade de compostos de alto valor económico. Contudo, a contaminação das culturas com bactérias representa um problema critico na produção a escala industrial, uma vez que a presença de organismos potencialmente patogénicos pode impossibilitar a entrada dos produtos no mercado. De forma a estabelecer a qualidade da biomassa produzida, e de fundamental importância a implementação de métodos de deteção de possíveis contaminantes. O facto da bactéria vibrio se encontrar amplamente difundida em ambientes aquáticos torna-a num possível contaminante das culturas de microalgas. Devido a sua capacidade de infetar não só animais mas também seres humanos, as contaminações representam uma ameaça preocupante para a saúde humana. Vibrio cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus representam as espécies detetadas com maior frequência e responsáveis por um aumento mundial de infeções transmitidas por alimentos marinhos. A sua ausência na biomassa de microalgas produzida para alimentação e rações e crucial e, consequentemente, a sua detecção deve basear-se em métodos eficazes. Como consequência do aumento da produção de microalgas, o objetivo principal desta dissertação foi implementar métodos internos para detetar estas três espécies de Vibrio na biomassa de microalgas. O principal método testado consistiu na ISO (International Organization for Standardization) 21872-1: 2017, baseado na presença/ausência da bactéria, de forma a satisfazer a exigência dos clientes por um método oficial. O objetivo final foi inferir se compensa implementar as análises no laboratório da A4F ou se seria preferível solicitar a sua realização a um laboratório externo de referência. Primeiramente, foram implementadas as medidas de biossegurança requeridas para trabalhar com microrganismos de risco II no laboratório da A4F. As duas partes da ISO/TS 21872-1:2007 foram compiladas num único documento, a ISO 21872-1:2017, dedicada a deteção de V. cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus. Atendendo ao facto de todas as análises previamente realizadas pelo laboratório externo terem fornecido um resultado negativo para a deteção das espécies de Vibrio, era expetável a sua ausência na biomassa. Consequentemente, o objetivo era inferir o número de etapas necessárias para descartar falsos positivos. Para tal, as amostras analisadas foram previamente testadas pelo laboratório de referência como negativas. O método da ISO 21872-1:2017 compreendeu quatro etapas principais: enriquecimento seletivo, isolamento, identificação e confirmação. Os dois enriquecimentos seletivos sucessivos foram realizados em água peptonada salina alcalina (ASPW) e as posteriores etapas de isolamento e identificação consistiram no plaqueamento em TCBS e num segundo meio seletivo, CHROMagarTM. Em relação aos controlos positivos, as colonias obtidas em CHROMagarTM corresponderam ao esperado. Em TCBS, tirando o facto de as colonias de V. cholerae serem menores do que era descrito, V. cholerae e V. parahaemolyticus originaram colónias típicas. Contrariamente, as colónias de V. vulnificus apresentaram uma coloração amarela em detrimento de verde. Posteriormente, todos os controlos positivos foram confirmados por PCR e esta discrepância justificada pelo facto de algumas estirpes de V. vulnificus fermentarem sacarose, resultando na coloração amarela. Conclui-se assim que a fermentação de sacarose não representa um factor discriminatório. Não obstante, visto que o objetivo era detetar todas as espécies abrangidas pela ISO 21872-1:2017, o método não foi influenciado. Na análise das amostras, o enriquecimento seletivo seguido de plaqueamento em CHROMagarTM e TCBS demostrou menos seletividade do que declarado pelos fabricantes, considerando que permitiu o desenvolvimento de uma ampla gama de colonias de falsos positivos com dimensões iguais ou inferiores a 1 mm. Visto que o controlo positivo de V. cholerae apresentou colonias menores do que o expetável em TCBS, o tamanho das colonias típicas foi negligenciado como fator discriminatório e todas as colonias verdes e amarelas em TCBS e roxas ou azuis em CHROMagarTM prosseguiram para as etapas de confirmação, resultando num método demorado. Contudo, verificou-se realmente uma discrepância entre o tamanho das colonias da amostra (1 mm ou inferior) e o tamanho esperado (2 - 3 mm) em TCBS e apenas foram obtidos aglomerados roxos ou azuis em CHROMagarTM sem colonias isoladas. Essas evidências, aliadas ao facto de que V. cholerae apresentou colonias típicas em CHROMagarTM, poderiam indicar que essas colonias não eram as espécies de Vibrio em teste. Contudo, era necessário confirmação adicional. A etapa de confirmação consistiu nos testes de coloração de Gram, teste de oxidase e ausência/presença de células móveis. O genero Vibrio corresponde a bactérias Gram-negativas, oxidase positivas e com células móveis. Contudo, nem todos os controlos positivos apresentaram células móveis e, consequentemente, este teste tornou-se inviável. Adicionalmente, a incapacidade destes testes de eliminar todos os falsos positivos levou a omissão desta etapa, prosseguindo diretamente para PCR. A conclusão de todas as análises foi “Ausência de V. cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus, potencialmente enteropatogénicos, em 25 g da pasta de acordo com a ISO 21872-1: 2017”, coincidindo com os resultados fornecidos pelo laboratório externo de referência. Adicionalmente ao método oficial, o primer para o género Vibrio permitiu inferir que os contaminantes que originaram as colonias de falsos positivos nao pertenciam a este género. Alem disso, apesar do PCR realizado diretamente no enriquecimento secundário não ter detetado nenhuma das três espécies, revelou a presença do género Vibrio, demostrando limitações do método microbiológico. Contudo, considerando que nem todas as bactérias pertencentes ao género Vibrio são potencialmente patogénicas, isto não significava, obrigatoriamente, uma ameaça para a saúde humana. Com o objetivo de inferir se o elevado número de falsos positivos podia originar resultados falsos negativos para deteção de vibrio, a ultima etapa laboratorial consistiu em testar amostras artificialmente contaminadas com 10 Unidades Formadoras de Colonias (UFC) e 100 UFC de cada espécie de Vibrio. Em ambos os meios, foram identificadas colonias típicas, com as dimensões expetáveis. Consequentemente, embora V. cholera tenha originado colonias menores em TCBS, esta espécie formou colonias típicas no segundo meio seletivo. O facto de V. cholerae ter originado colonias típicas em CHROMagarTM confirmou a sua maior eficácia e a importância da complementaridade entre os dois meios. Concluindo, embora haja um elevado numero de colonias de falsos positivos, a diferença de tamanho aliada a complementaridade dos meios permitiu detetar as três espécies de Vibrio e descartar falsos positivos, incluindo as colonias com menos de 1 mm em TCBS. Quanto a comparacao entre PCR realizado diretamente no segundo enriquecimento e o método oficial, apenas V. cholerae apresentou discrepância. Esta espécie foi detetada em CHROMagarTM, mas não foi detetada no enriquecimento. Isso demostra que nenhum método e ideal e que a realização de PCR diretamente em suspensões de enriquecimento não e, por si só, um método passível de substituir o método da ISO 21872-1: 2017. Por último, de forma a averiguar a viabilidade económica da realização das análises internamente, em detrimento da sua requisição a um laboratório de referencia, realizou-se a analise financeira do método. O custo da realização da análise no laboratório da A4F demostrou ser aproximadamente três vezes superior ao preço providenciado pelo laboratório externo. Como tal, não compensava financeiramente a implementação interna deste método. Como perspectivas futuras, e expetável o desenvolvimento e aprovação de novos métodos oficiais que poderão ser mais favoráveis economicamente. Paralelamente, considerando os recursos disponíveis, o segundo objetivo consistiu em utilizar sondas de hibridização fluorescente in situ (FISH), fornecidas pela Biomode SA, como método de deteção de V. vulnificus, V. parahaemolyticus e V. cholerae diretamente em amostras de cultura de microalgas. Durante a otimização do protocolo, um dos problemas enfrentados foi a autofluorescência da clorofila nas microalgas. Para solucionar este problema, o Negro Sudão B foi testado, com sucesso, como tratamento de redução da autofluorescência. De modo a inferir o limite de deteção do método, foi obtida a seguinte correlação entre UFC e Densidade Ótica (DO): UFC = (109) ・ (DO) + 7 ・ 108. Em seguida, as amostras de Nannochloropsis foram artificialmente contaminadas com diluições seriadas de concentrações conhecidas de V. parahaemolyticus. O limite de deteção obtido, 106 CFU mL-1, encontrou-se dentro do valor esperado em microscopia de fluorescência. Em todas as amostras testadas, vibrio nunca foi detetado em pastas de biomassa da A4F, possivelmente como consequência de Nannochloropsis apresentar capacidade de suprimir quantitativamente e qualitativamente o crescimento de algumas espécies de Vibrio. Deste modo, mesmo que vibrio estivesse presente, seria expetável que as UFC mL-1 permanecessem em valores reduzidos. Consequentemente, seria necessário uma etapa de enriquecimento, por exemplo em ASPW. Contudo, juntamente com o pré-requisito das etapas adicionais para inibição da autofluorescência das microalgas, o método demostrou ser demorado e com um limite de deteção acima dos valores esperados nas culturas. Portanto, a menos que vibrio se tornasse numa contaminação comum em culturas na A4F, não seria necessário a realização de análises de rotina. Adicionalmente, este método só poderia ser implementado como análise de rotina se as contaminações de vibrio apresentassem uma elevada carga bacteriana, considerando que teria de ser superior a 106 UFC mL-1 para ser detetado. Caso estas espécies de Vibrio fossem detetadas, as culturas seriam descartadas imediatamente, permitindo economizar futuros recursos em culturas que não poderiam ser comercializadas. Como perspetivas futuras, deveriam ser desenvolvidas sondas com diferentes fluorocromos, como por exemplo fluorescamina. Considering the increasing microalgae production, the main goal of this dissertation was to implement methods to detect Vibrio cholerae, V. parahaemolyticus, and V. vulnificus in microalgae biomass. To satisfy the customers’ request for a standard method, the International Organization for Standardization (ISO) 21872-1:2017 was chosen. The final goal was to infer if it was profitable to implement the method at A4F’s laboratory rather than asking a reference laboratory. A positive result for Vibrio spp. was never previously obtained and so its absence was expected in the biomass. The aim was to understand the number of steps required to rule out false positives on samples previously tested as negative by the reference laboratory. The method comprised four main steps: selective enrichment in Alkaline Saline Peptone Water (ASPW), isolation and identification in Thiosulfate Citrate Bile and Sucrose (TCBS) agar and CHROMagarTM and, lastly, the confirmation steps. The selective enrichment step followed by plating on CHROMagarTM and TCBS were not as selective as stated by manufactures and allowed the growth of a wide range of false positive colonies with 1 mm or less. Since V. cholerae positive control presented smaller colonies on TCBS, the size of colonies was first neglected as a discriminatory factor. Although some evidences indicated that these colonies were not Vibrio spp., further confirmation was required. The confirmation step started with Gram staining, oxidase test and examination of motility. The inability of these tests to rule out all false positives led to the non-inclusion of these steps and advancing directly to PCR. The conclusion of all the analysis was that “Potentially enteropathogenic V. cholerae, V. parahaemolyticus and V. vulnificus were not detected in 25 g of the paste according to the ISO 21872-1:2017”. Additionally to the official method, the contaminants colonies did not belong to the genus Vibrio but that genus was detected by PCR in the secondary enrichment samples, which showed some limitations of the platting method. Even though, since not all bacteria belonging to the genus Vibrio are pathogenic, it did not mean, for itself, a threat to the human health. Lastly, spiked samples with the three Vibrio spp. were tested. Even though a high number of false positive colonies was present, the difference in size along with the complementarity of both media allowed to detect the three Vibrio spp. and to rule out false positives, including the colonies with less than 1 mm. The comparison between direct PCR to the enrichment broths and the official method proved that no method is ideal and PCR screening of enrichment broths was not, for itself, a reliable method to replace the ISO method. Ultimately, the financial analysis stated that the cost per analysis was approximately three times higher than the price provided by the reference laboratory. Hence, it was not cost-effective to implement the method. Additionally, Fluorescence In Situ Hybridization (FISH) probes provided by Biomode SA were tested as a method to detect V. vulnificus, V. parahaemolyticus and V. cholerae directly in microalgae culture samples. The detection of Vibrio spp. would lead to the disposal of these cultures in order to avoid further costs in cultures that could not be commercialized. To counteract the autofluorescence of chlorophyll in the microalgae, Sudan Black B was successfully tested. The limit of detection obtained, 106 CFU mL-1, was within the value expected for microscopic observation. Although, the requirement of an enrichment step, together with the prerequisite of the additional steps to inhibit the autofluorescence, turned the method time-consuming and with a detection limit above the expected values for Vibrio spp. in the cultures. Tese de mestrado, Microbiologia Aplicada, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2019

  • Other research product . Collection . 2019
    Open Access English
    Authors: 
    Waelbroeck, Claire; Lougheed, Bryan C; Vázquez Riveiros, Natalia; Missiaen, Lise; Pedro, Joel B; Dokken, Trond; Hajdas, Irka; Wacker, Lukas; Abbott, Peter M; Dumoulin, Jean-Pascal; +53 more
    Publisher: PANGAEA - Data Publisher for Earth & Environmental Science
    Project: EC | ACCLIMATE (339108), FCT | UID/Multi/04326/2019 (UID/Multi/04326/2019), EC | ICE2ICE (610055)

    Rapid changes in ocean circulation and climate have been observed in marine-sediment and ice cores over the last glacial period and deglaciation, highlighting the non-linear character of the climate system and underlining the possibility of rapid climate shifts in response to anthropogenic greenhouse gas forcing. To date, these rapid changes in climate and ocean circulation are still not fully explained. One obstacle hindering progress in our understanding of the interactions between past ocean circulation and climate changes is the difficulty of accurately dating marine cores. Here, we present a set of 92 marine sediment cores from the Atlantic Ocean for which we have established age-depth models that are consistent with the Greenland GICC05 ice core chronology, and computed the associated dating uncertainties, using a new deposition modeling technique. This is the first set of consistently dated marine sediment cores enabling paleoclimate scientists to evaluate leads/lags between circulation and climate changes over vast regions of the Atlantic Ocean. Moreover, this data set is of direct use in paleoclimate modeling studies.

  • Open Access English
    Authors: 
    Barriga, Fernando J A S;
    Publisher: Universidade do Algarve
    Country: Portugal
    Project: EC | BLUE MINING (604500)

    The dependence of modern societies upon critical raw materials (nearly all metals) is overwhelming. Some believe that demand is growing faster than offer, not only because of geological availability but also for political and economic reasons. For these reasons it is imperative to consider new sources for raw materials.The seafloor stands as a likely candidate. We must create readiness now to be prepared when the need comes. One of the greatest fears is the environmental cost involved in mining the deep seafloor. However, the mining industry no longer deserves its partially not favorable reputation. We need both the resources and the environment. And nIMBY (not In My Back Yard) will not help.